Últimas Notícias:

Airbus vence contrato da ESA para construir o terceiro Módulo de Serviço Europeu para a nave espacial Orion da NASA


 

A Agência Espacial Europeia (ESA) assinou um contrato com a Airbus para a construção do terceiro Módulo de Serviço Europeu (MSE) para a Orion, a nave espacial americana tripulada. O contrato tem um valor de cerca de 250 milhões de euros.

Ao encomendar este módulo de serviço adicional, a ESA assegura a continuidade necessária no programa Artemis da NASA. O terceiro módulo (Missão Artemis III) será utilizado para levar astronautas até ao ponto do espaço mais perto da Terra 2024 – o primeiro a aterrar na Lua desde a Apollo 17, após um hiato de mais de 50 anos.

“O nosso know-how e experiência permitir-nos-ão continuar a facilitar futuras missões lunares através de parcerias internacionais”, afirmou Andreas Hammer, Chefe de Exploração Espacial da Airbus. “Ao trabalhar em conjunto com os nossos clientes ESA e NASA, bem como com o nosso parceiro industrial Lockheed Martin, dispomos agora de uma base de planeamento credível para as três primeiras missões lunares. Este contrato é uma aprovação da abordagem conjunta que combina o melhor das tecnologias espaciais europeias e americanas”.

David Parker, Director de Exploração Humana e Robótica da ESA, afirmou: “Ao celebrar este acordo, estamos novamente a demonstrar que a Europa é um parceiro forte e seguro na Artemis. O Módulo de Serviço Europeu representa uma contribuição crucial para este objetivo, permitindo a investigação científica, o desenvolvimento de tecnologias-chave e a cooperação internacional – missões inspiradoras que expandem a presença da humanidade para além da Órbita Baixa da Terra”.

O primeiro voo de ensaio não tripulado Orion com um Módulo de Serviço Europeu (Artemis I) será realizado em 2021. É como parte da missão seguinte, Artemis II, que os primeiros astronautas irão então voar à volta da Lua e regressar à Terra.

O ESM fornecerá propulsão, energia, ar e água aos astronautas, bem como o controlo térmico da nova nave espacial da NASA

São utilizadas mais de 20.000 peças e componentes em cada MSE, desde equipamentos elétricos, motores, painéis solares, reservatórios de combustível e fornecimento de suporte de vida para os astronautas, bem como cerca de 12 quilómetros de cabos. O primeiro módulo de serviço foi entregue à NASA em Novembro de 2018 e já foi acoplado ao Módulo de Tripulação. A nave totalmente integrada já terminou os testes de vácuo térmico nas instalações da NASA em Ohio, EUA, e regressou ao Kennedy Space Center na Florida, EUA, enquanto o segundo módulo de serviço está agora a ser integrado e testado pela Airbus em Bremen, com entrega prevista para a primeira metade de 2021.

Durante o desenvolvimento e construção do MSE, a Airbus baseou-se na sua experiência como contratante principal do Veículo de Transferência Automatizado (ATV) da ESA, que forneceu à tripulação a bordo da Estação Espacial Internacional entregas regulares de equipamento de ensaio, peças sobressalentes, alimentos, ar, água e combustível.

O MSE tem forma cilíndrica e cerca de quatro metros de diâmetro e altura. Tem quatro matrizes solares (19 metros de largura quando desenroladas) que geram energia suficiente para alimentar duas casas. O módulo de serviço, com 8,6 toneladas de combustível, pode alimentar um motor principal e 32 propulsores mais pequenos. O MSE pesa um total de pouco mais de 13 toneladas. Para além da sua função de principal sistema de propulsão da nave espacial Orion, o MSE será responsável pelas manobras orbitais e pelo controlo da posição. Fornece também à tripulação os elementos centrais de suporte de vida, como água e oxigénio, e regula o controlo térmico enquanto está acoplado ao módulo da tripulação.