Últimas Notícias:

Lufthansa suspendeu a venda de bilhetes para a última fila dos seus A320neo


 

A Lufthansa suspendeu a venda dos bilhetes dos lugares da última fila dos seus A320neo, como medida preventiva devido às limitações de centro de gravidade da aeronave.

Esta acção preventiva acontece depois dos pilotos da companhia terem recebido um memorando interno  que sugeria bloquear a última fila de lugares como uma medida mitigadora, seguindo assim uma directiva de aeronavegabilidade da EASA – Agência Europeia de Segurança Aérea.

Depois dos problemas semelhantes encontrados no A321neo a EASA descobriu um problema semelhante no A320neo, mas que poderá acontecer só em situações muito especificas e que podem ser controladas pelos pilotos.

Vários testes indicam que o A320neo pode comandar excessivamente o leme de profundidade, levantando ou abaixando o seu nariz. Sob certas condições e manobras, o compensador, o elevador e o computador do elevador e aileron (ELAC) mostraram um defeito.

Para este problema acontecer têm de existir duas premissas: o A320neo deve estar configurado para aterragem com um centro de gravidade próximo ao limite na parte traseira da aeronave. Em seguida, é necessária uma manobra repentina, como um go-around. Numa situação normal o sistema da aeronave deveria corrigir automaticamente o ângulo de ataque para compensar, mas descobriu-se que, em algumas situação, não actua.

Como referimos acima, ao contrário do sistema do B737 MAX que se sobrepõe aos pilotos, o sistema do A320neo permite que as tripulações façam as devidas correcções.

O porque?

De acordo com a Aviation Week, os responsáveis da Lufthansa indicam que o problema do centro de gravidade se refere apenas aos A320neos e A321neos que foram equipados com cabines Space Flex.

O designer das cabine Space Flex foi desenvolvido para acomodar passageiros com mobilidade reduzida a bordo de aeronaves Airbus de corredor único. Esta nova configuração permite a instalação de um lavabo e de uma galley num espaço anteriormente não aproveitado, permitindo assim a colocação de mais uma fila para passageiros.

Actualização do manual de voo do A320neo

Depois de uma Directiva de Aeronavegabilidade emitida pela EASA e publicada pela HMGaerospace, a Airbus entrou em contacto com as companhias aéreas que voam o A320neo e actualizou o manual de voo da aeronave com revisões no centro de gravidade e forneceu novas recomendações de carga.

“A eficiência reduzida da protecção do A320neo sob certas condições de voo e em combinação com manobras de comando específicas da tripulação pode levar a atitudes excessivas de pitch, possivelmente aumentando as condições de carga de trabalho da cabine.

Essa condição, potencialmente insegura, embora nunca encontrada durante as operações, foi descoberta durante a análise e testes de laboratório das leis de controle de voo do A320neo.“