Últimas Notícias:

Flybmi encerra as suas operações


 

A companhia aérea britânica Flybmi cancelou todos os seus voos e está a solicitar uma administração de insolvência.

A Flybmi está sediada no Aeroporto de East Midlands, no Reino Unido, com bases operacionais adicionais na Grã-Bretanha e na Europa continental, incluindo Bruxelas e Munique. A companhia operava uma rota de 17 aviões regionais.

A companhia voava para Oslo, Paris, Frankfurt, Dusseldorf, Hamburgo, Dublin, Birmingham, Bristol, Edimburgo, Glasgow, Londres Heathrow, Londres Stansted, Manchester, Milão, Newcastle, Veneza e Verona.

No site da companhia é possível ler-se:

“É com o coração pesado que fizemos este anúncio inevitável hoje. A companhia aérea enfrentou várias dificuldades, incluindo os recentes aumentos nos custos de combustível e carbono, o último decorrente da recente decisão da UE de excluir as companhias aéreas do Reino Unido da participação total no Esquema de Comércio de Emissões. Essas questões prejudicaram os esforços para levar a companhia aérea ao lucro. As negociações actuais e as perspectivas futuras também foram seriamente afectadas pela incerteza criada pelo processo Brexit, que levou à nossa incapacidade de garantir valiosos contratos de voo na Europa e falta de confiança em torno da capacidade da bmi de continuar a voar entre destinos na Europa. Além disso, a nossa situação reflecte dificuldades mais amplas no sector de aviação regional que foram bem documentadas.

“Neste contexto, tornou-se impossível para os accionistas da companhia continuar seu extenso programa de financiamento para o negócio, apesar do investimento ter totalizado mais de 40 milhões de libras nos últimos seis anos. Nós sinceramente lamentamos que este curso de acção tenha-se tornado a única opção à nossa disposição, mas os desafios, particularmente aqueles criados pelo Brexit, provaram ser intransponíveis.

“Os nossos funcionários trabalharam arduamente nos últimos anos e gostaríamos de agradece-los pela sua dedicação à empresa, bem como a todos os nossos clientes fiéis que voaram connosco nos últimos seis anos”.

A Bmi Regional empregou um total de 376 funcionários baseados no Reino Unido, Alemanha, Suécia e Bélgica.

Imagem relacionada

Voos
O voo desta tarde entre Bristol e Munique foi cancelado, e os aviões da Flybmi, com base em Bruxelas, foram posicionados de volta a Bristol na noite de sexta-feira e sábado de manhã.

Além disso, duas aeronaves com sede em Munique e uma em Karlstad foram posicionadas em Newcastle – sede de uma instalação de armazenamento de aeronaves. Outros dois aviões da Embraer baseados em Munique foram posicionados no Reino Unido esta tarde.

A tripulação da Flybmi, que foi escalada no fim de semana com “night-stops”, foi levada de volta para o Reino Unido, tendo os seus voos sido substituídos por “home standby”.

A Flybmi já fazia parte da icónica marca britânica British Midland International (BMI). Em novembro de 2009, a Lufthansa tornou-se a única accionista da British Midland Airlines Ltd através de uma holding britânica. A companhia aérea de bandeira alemã realizou uma extensa reestruturação na tentativa de trazer a Flybmi à lucratividade – mas isso nunca foi alcançado. Em 2012, a transportadora foi vendida para a Setor Aviation Holdings e opera de forma independente desde outubro de 2012.

A companhia aérea agora faz parte de uma empresa holding mais ampla, chamada Airline Investments Limited (AIL). O grupo é formado por duas marcas aéreas britânicas: Flybmi e Loganair. Os dois proprietários-empreendedores – Stephen e Peter Bond – têm uma longa história na aviação, tendo anteriormente possuído a Bond Aviation no Reino Unido, e sendo os investidores originais da “Alliance Airlines” na Austrália.

A companhia aérea tem várias parcerias com companhias internacionais. A Flybmi possui acordos de codeshare com a Lufthansa, a Brussels Airlines, a Air Dolomiti, a Loganair e a Air France.

Resultado de imagem para fly bmi

Além das suas operações regulares, a Flybmi opera uma série de serviços de transporte fretados, inclusive em nome da Airbus, usando os seus aviões Embraer 145. Os voos da Airbus transportam funcionários entre os locais de fabricação da Airbus em Broughton, Bristol e Toulouse. No início deste mês, a Airbus perdeu a sua operadora de linhas aéreas de serviço de transporte de funcionários de Toulouse-Hamburgo Finkenwerder, “Germania”, após o colapso imediato da Germânia. Como resultado, a Airbus está actualmente a alugar um avião da Titan Airways.

Há duas semanas, a flybmi anunciou que anunciaria um novo voo entre Derry e Manchester “nas próximas semanas”. A companhia também informou que pode estender um voo Flybmi subsidiado pelo governo britânico entre Derry e London Stansted, mas destacou que uma decisão só será tomada “a partir de meados de fevereiro”.

Resultado de imagem para fly bmi

A Flybmi era uma das preferidas dos viajantes de negócios devido aos horários de partida convenientes da companhia e à capacidade de voar para cidades secundárias com uma procura de viagens de negócios que, de outra forma, não seria servida.

Há apenas quatro meses, a companhia assinou uma nova parceria de codeshare com a Turkish Airlines. A parceria deu aos passageiros a possibilidade de reservar via flybmi.com e viajar de Manchester, Londres, Heathrow e Dublin para os voos da Turkish Airlines.

O excesso de capacidade no sector de aviação europeu resultou no desaparecimento das operadoras de linhas aéreas, como a Monarch Airlines, que estava presente tanto no mercado de companhias aéreas de baixo custo quanto no mercado de linhas aéreas de lazer – embora não fosse líder de mercado em nenhuma delas. A companhia aérea enfrentou uma concorrência acirrada de ambos os lados e entrou em colapso em meio a sua estratégia falha. Além disso, tanto as incertezas que cercam o Brexit quanto o preço do petróleo mais alto em 2018 eliminaram os lucros ou as tentativas de se tornar lucrativo, mesmo nas companhias aéreas mais estáveis ​​do ponto de vista financeiro. No ano passado, o CEO da Flybmi revelou que a companhia aérea estava a considerar uma nova subsidiária da UE para garantir operações depois do Brexit, dadas as complexidades que uma saída “sem acordo” poderia oferecer às companhias aéreas britânicas que voam da UE para o estado da UE, após o Brexit.

Um aumento acentuado nas greves de Controlo de Tráfego Aéreo em toda a Europa também causaram grandes danos nas contas da companhia.

Todos os clientes com voo programados na companhia deverão aceder ao site e verificar todas as informações disponibilizadas pela companhia: SITE