Últimas Notícias:

Sevenair anunciou que não vai suspender rota regional e apresenta novos horários


Depois de muito se falar, a Fly Sevenair anunciou ontem que não irá suspender o transporte de passageiros na ligação aérea entre Bragança, Vila Real, Viseu, Cascais e Portimão.

A empresa aproveitou o anúncio para divulgar o novo horário disponível até ao dia 7 de junho.

A companhia sublinha que existem algumas alterações em relação aos que os passageiros estavam habituados:

Segunda e Sexta-Feira – Os voos são em todas as escalas.

Terça e Quinta-Feira ​- Os voos são diretos entre Bragança e Cascais.

Quarta-Feira e Domingo – Não há voos

Ao Sábado – Não há voos na escala de Vila Real.

Para mais informações, os passageiros podem contactar a linha de Apoio ao Cliente 707 100 141‚ de Segunda a Sábado das 8:30 às 13:30‚ 14:30 às 19h ou para o email bookings@flysevenair.com

De recordar que em dezembro, numa entrevista à Lusa, o diretor de voos da Sevenair, empresa concessionária, disse que a carreira aérea podia estar em risco, lembrando que a concessão terminaria no final de fevereiro.

Segundo o responsável: “não dizemos isso com agrado nenhum, até porque acreditamos e sabemos que é uma linha com real interesse para o país”.

Além disso, se os valores apresentados pelo Governo como indemnização compensatória pela prestação do serviço se mantiverem nos moldes atuais, que têm sido de 2,4 milhões de euros por ano, e mesmo que seja proposto um ajuste direto até à conclusão de um futuro concurso, a empresa disse que não tem “nem interesse, nem condições” para continuar a operação.

A esta medida compensatória dada pelo Estado, junta-se a venda de bilhetes como receita. Mas o valor angariado tem sido insuficiente.

“Já está a dar prejuízo há algum tempo. Neste último concurso foi notório. Anualmente, só no combustível, face àquilo que apresentámos inicialmente na nossa proposta há quatro anos, tivemos aumentos [das despesas] para mais do dobro. Tivemos prejuízos só nessa vertente, a nível anual, de cerca de 300 mil euros”, detalhou Sérgio Leal, referindo ainda subidas substanciais com a manutenção das aeronaves.