Últimas Notícias:

Ryanair reduz mais 20% na capacidade para outubro


 

A Ryanair anunciou hoje uma redução adicional de 20% na capacidade para outubro, além da redução de 20% já anunciada em agosto, devido ao impacto das “contínuas mudanças nas políticas e restrições de viagens” na União Europeia.

A companhia aérea irlandesa afirmou, em comunicado, que a “redução adicional de 20% na capacidade de outubro” tornou-se necessária pelas alterações às restrições nas viagens, face à pandemia de covid-19, “muitas das quais são introduzidas sem aviso prévio, prejudicando a intenção dos consumidores de realizar reservas com antecedência”.

A Ryanair espera, assim, que a capacidade de outubro caia de 50% para cerca de 40%, em comparação com os níveis de outubro de 2019.

No entanto, a transportadora aérea espera manter uma taxa de ocupação superior a 70%.

“Estamos desapontados por reduzir a nossa capacidade de outono de 50% (em relação a 2019) para 40%. A confiança dos clientes está a ser prejudicada pela má gestão governamental em relação a políticas de viagens”, defendeu um porta-voz da companhia, citado no comunicado.

A Ryanair considera que há governos que têm mantido restrições de viagem “excessivas e deficientes” desde 01 de julho, sobretudo na Irlanda, onde a companhia está sediada.

A transportadora argumenta que, naqueles países, “as taxas de covid-19 aumentaram para 50 por cada 100.000 habitantes nas últimas semanas, mais do dobro das taxas verificadas na Alemanha e Itália, onde as viagens aéreas intracomunitárias estão permitidas desde 01 de julho”.

Desta forma, a Ryanair diz-se a favor do plano da Comissão Europeia para eliminar as restrições de viagem dentro da União Europeia (UE), sujeito apenas à análise da evolução dos casos de covid-19 por país e região.

A empresa apela também a todos os Estados-membros, “especialmente a Irlanda”, que implementem uma abordagem coordenada, no sentido de permitir que os cidadãos da UE possam reservar as suas viagens com segurança.

“Apelamos ao ministro dos Transportes da Irlanda, Eamon Ryan, para explicar por que razão, mais de dois meses depois, ainda não implementou nenhuma das 14 recomendações apresentadas no passado 07 de julho pelo Grupo de Trabalho para a Aviação”, refere o mesmo porta-voz.