Últimas Notícias:

Qantas realizou o primeiro voo do seu programado Project Sunrise. Conheça os detalhes da viagem através de um testemunho


 

A Qantas realizou o primeiro voo do seu programado Project Sunrise entre Nova Iorque, nos EUA, e Sidney, na Austrália.

O primeiro voo teste durou cerca de 19 horas e 16 minutos tendo sido voados 16.200 quilómetros.

O bordo do Boeing 787-9, seguiam 49 pessoas, entre elas o CEO da Qantas, e o objectivo do voo era analisar de que forma esta viagem longa pode afetar os pilotos, a tripulação de cabine e os passageiros.

Já no próximo mês a companhia aérea tem planeado a realização de mais um voo testes, desta vez entre Londres, em Inglaterra, para Sidney.

Após a realização dos dois voos e analisados todos os dados, a Qantas vai decidir se irá avançar com as referidas rotas.

Neste momento a Boeing e Airbus lutam para apresentar um modelo de aeronave capaz de realizar esta rota de forma regular/comercail.

Para garantir ao avião autonomia de combustível suficiente para evitar o reabastecimento, o voo da Qantas descolou com o máximo de combustível, carga de bagagem restrita e sem carga extra.

Os testes variaram desde a monitorização das ondas cerebrais dos pilotos, níveis de melatonina e atenção, até aulas de exercícios para passageiros. A iluminação da cabine e as refeições a bordo também foram escolhidas por forma a tentar reduzir o jetlag, de acordo com os pesquisadores e cientistas médicos que fizeram parte do voo.

Já quanto aos passageiros que completaram esta viagem, seis horas depois do embarque tiveram oportunidade de desfrutar de uma refeição rica em hidratos de carbono e as luzes foram diminuindo de intensidade de forma progressiva.

Os passageiros realizaram vários exercícios durante a viagem

“Os voos noturnos geralmente começam com o jantar e depois apagam-se as luzes. Neste voo, começamos com o almoço e as luzes mantiveram-se acesas pelas primeiras seis horas, para coincidir com a hora do dia no nosso destino. Isso significa que você começa a reduzir o jetlag imediatamente.”

“Esta é uma novidade realmente significativa para a aviação. Espero que seja uma antevisão de um serviço regular que acelere a forma como as pessoas viajam de um lado para o outro do mundo”, disse Alan Joyce, CEO da Qantas Group, citada pela BBC.

A concorrência no mercado da aviação tem-se revelado feroz e, no ano passado, a Singapore Airlines lançou uma viagem de quase 19 horas entre Singapura e Nova Iorque, que é actualmente o voo comercial mais longo do mundo.

Também no ano passado, a Qantas iniciou um serviço sem escalas de 17 horas de Perth, na Austrália, para Londres, enquanto a Qatar Airways opera um serviço de 17,5 horas entre Auckland, Nova Zelândia, e Doha, capital do Qatar.

Vídeo da preparação do primeiro voo:

Deixamos o relato de um jornalista convidado para o voo:

O jornalista Angus Whitley foi convidado pela Bloomberg  para participar no voo da Qantas.

Fora do chão

O nosso avião acabou de sair do Aeroporto Internacional JFK e já se tornou um laboratório voador. Como o objetivo é preparar os passageiros para o fuso horário do nosso destino o mais rápido possível, escolhemos “Sydney” no relógio logo de caras. Isto significa não dormir.

As luzes ficam acesas e temos instruções para ficar acordados durante, pelo menos, seis horas – até ser noite na Austrália.

Isto causa imediatamente problemas a alguns passageiros.

Num lado da seção de classe executiva, seis passageiros frequentes seguem um cronograma pré-planeado para comer e beber (incluindo limitação de álcool), exercício e sono. Usam leitores de movimento e luz nos pulsos e foi-lhes solicitado que registassem as suas atividades; eles já estiveram sob observação durante alguns dias e serão monitorados durante 21 dias no total. A maioria dos passageiros é viciada em filmes ou em livros, mas um deles adormece em minutos. Para ser justo, sinto a dor dele. Pode ser meio-dia em Sydney, mas o meu corpo está dizer-me que está a chegar a meia-noite em Nova Iorque.

Passadas duas horas

É hora da alimentação e um momento chave para a experiência. É suposto que os pratos especialmente pensados confortem-me, e uma porção saborosa de camarão escalfado com pimenta e limão é como uma bofetada culinária suave na cara. Bacalhau picante de estilo chinês com arroz de jasmim e sementes de gergelim repete a ação explosiva. Eu estou momentaneamente acordado.

Os 40 passageiros do avião, incluindo os jornalistas, estão todos em classe executiva: com tão poucos passageiros, ninguém precisa viajar em económica. Numa entrevista, o CEO Alan Joyce diz-me que os voos reais do Project Sunrise – se seguirem em frente – terão mais espaço para as pernas na económica do que os aviões padrão, e haverá algum espaço na parte traseira da aeronave para alongamentos.

As seis cobaias humanas no centro da pesquisa estão sentadas num lado da cabine. Eu quero fazer o meu próprio conjunto de testes para ver como o meu corpo está a aguentar. Depois de falar com um médico de viagem em Sydney antes, estou munido de equipamento para monitorizar a minha pressão arterial, frequência cardíaca e níveis de saturação de oxigênio. Eu também tenho um teste memória e um questionário de humor. Eu quero ver se um voo muito longo prejudica o meu cérebro ou escurece o meu espírito.

Os testes de três horas que faço durante a primeira metade do voo refletem o objetivo desta viagem. A minha pressão arterial está elevada, embora não alta, e a minha frequência cardíaca está a acelerar. O meu humor é leve, embora a diminuir muito gradualmente.

Três horas depois

A pressão física desta experiência é clara. Nesta altura eu e os passageiros estão de pé apenas para ficarmos acordados. A equipa tem ordens para manter horários para o sono e a usar iPads para classificar fadiga, tempos de reação, carga de trabalho e stress. O sonolento passageiro frequente da Qantas, que vai à frente no avião, está novamente a dormir.

Embora ache este regime bastante desafiador – e nem estou num difícil assento da classe económica – tento manter as coisas em perspetiva. Depois de ter escrito sobre este voo pela última vez na semana passada um leitor enviou-me um e-mail para insistir numa mentalidade mais robusta.

Durante a Guerra da Coreia, no início dos anos 50, disse o leitor, ele regularmente voou em missões de reconhecimento durante 40 horas com rotações de tripulação a cada seis horas. “Força,” disse-me o homem de 83 anos. Mensagem recebida.

Após quatro horas

Marie Carroll, professora da Universidade de Sydney que está a supervisionar a observação dos passageiros no voo, reúne as suas tropas na parte de trás do avião. “Este é o momento, pessoal, é quando realmente precisamos de resolver isto “, diz-lhes.

Momentos depois, a sua equipa está encostada aos carrinhos de comida da cozinha, esticando-se. Em seguida, fazem flexões verticais entre a classe económica vazia. Finalmente, tentam sincronizar movimentos de dança nos corredores. Tudo em nome da ciência. Parece um cabaré, mas vencer o jet lag é uma missão difícil. Além das noites sem dormir e do cansaço diurno, especialistas dizem que há processos críticos, incluindo a função cardíaca e o metabolismo, que ficam perturbados quando o relógio biológico é interrompido.

Passadas sete horas

Chega uma segunda refeição. Para mim, ser alimentado duas vezes numa sucessão relativamente rápida ajudou mesmo a passar o tempo mais depressa durante a primeira parte do voo. Esta parte do menu também deve significar as próximas horas: é rica em hidratos e desenhado para nos pôr a dormir. A sopa de batata doce com creme fraiche é espessa e luxuosa, a torrada de queijo menos. O chef do avião diz-me que esteve a preparar as nossas refeições durante três dias.

Finalmente, as luzes estão enfraquecidas e parece que estou liberado. Durmo seis horas seguidas. Isto é mais do que eu me lembro de dormir sem acordar em qualquer outro voo, mesmo com o privilégio de classe executiva de uma cama.

Após 14 horas

De uma forma geral, os meus próprios exames médicos sugerem que estou a lidar bem com a situação. A minha pressão arterial, que o médico em Sydney disse que seria um bom medidor de stress e fadiga, está de volta ao normal. O meu coração está a bombear mais devagar, acerto no meu teste de memória e o meu questionário mostra que o meu humor está mais brilhante.

A observação dos passageiros e tripulação contribuirá para o plano da Qantas avançar com o Projeto Sunrise, e dar início a voos comerciais diretos que ligam Sydney a Nova Iorque e Londres. Outros voos longos da costa leste da Austrália para a América do Sul e África podem seguir-se, admite a Qantas.

A bordo, Joyce diz-me que “obviamente” lançará este regime de voos noutras rotas longas – se a ciência mostrar que isto ajuda. O truque é acomodar aqueles que querem beber e adormecer à vontade, diz Joyce.

Mas ainda não reserve os seus voos para dar a volta ao mundo.

A Qantas precisa de novos aviões da Boeing ou da Airbus SE que possam fazer o trabalho com uma carga completa de passageiros e um novo acordo com a tripulação para trabalhar mais de 20 horas. “É precisa de tudo aconteça ao mesmo tempo”, afirmou Joyce. O responsável sonhava inicialmente em transformar estes voos de longa duração em hotéis voadores, com camas para dormir ou uma zona de exercício. Esta visão deu lugar à realidade quando as margens de lucro revelaram-se muito apertadas para desperdiçar espaço em tais luxos.

O nosso avião não tem capacidade para transportar uma carga completa de passageiros mais bagagem para Sydney. Descolou com os tanques de combustível no máximo – cerca de 101 toneladas. Para manter o peso baixo, não há carga, nem comida e as bebidas são limitadas. Em Nova Iorque, o capitão parecia confiante que chegaríamos a Sydney com gasolina de sobra. Ele planeou pousar com seis toneladas de combustível, o suficiente para ficar no ar por mais 90 minutos.

17 horas depois

É hora do pequeno-almoço e não há salsichas. Em vez disso, há uma tigela de grãos, puré de abacate, queijo quente haloumi e uma salada de ervas. Este voo está a virar tudo de cabeça para baixo.

Um dos passageiros frequentes, o investidor de Sydney, Nick Mole, diz que dormiu quase oito horas e sente-se bem. E que tal um dia inteiro de trabalho após o desembarque? “Eu provavelmente poderia fazer isso “, diz. Nick Mole acha que o teste maior será como ele é que vai lidar com esta viagem dentro de alguns dias.

Preparação para aterrar

Sinto-me melhor agora do que depois de voar para Nova Iorque de Sydney há alguns dias com uma escala. As dezenas de horas que demorou para chegar a Los Angeles foram seguidas por uma hora e uma grade fila na imigração com centenas de outros viajantes “zombies”.

Numa altura em que o avião se aproxima do seu destino, Joyce aborda todos a bordo. Ele diz-nos que o voo lhe deu confiança de que o Project Sunrise pode funcionar. E chega domingo, à hora de almoço em Sydney, estou sentindo-me cansado, mas longe de debilitado.

Eu participo numa festa de aniversário infantil, certamente um teste ácido aos nervos de alguém. Pessoalmente, escolheria um voo direto entre Sydney e Nova Iorque em vez de um com escala. Mas não isto não servirá a todos: foi preciso disciplina e trabalho para manter a rotina de não dormir na primeira metade do voo. Pode haver benefícios em mudar para o horário do destino imediatamente, mas tem um preço. Eu senti como se tivesse de merecer.

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta