Últimas Notícias:

Momento Histórico com primeiro voo comercial da Etihad Airways em Israel


 

Hoje viveu-se um momento histórico com a aterragem de voo comercial da Etihad Airways no Aeroporto Internacional Ben Gurion/Telavive, em território de Israel.

Este primeiro voo teve como finalidade levar profissionais de turismo israelitas aos Emirados Árabes Unidos, na sequência do acordo de normalização entre os dois países.

Foto: Etihad Airways

O voo EY 9607 foi operado pelo Boeing 787-10, matrícula A6-BMH, baptizado de ‘Greenliner’, proveniente de Abu Dhabi, aterrou hoje de manhã cedo no aeroporto Ben Gurion de Telavive, afirmou uma porta-voz do Ministério dos Transportes, Liza Dvir.

“Hoje fazemos história. A Etihad tornou-se a primeira companhia do Golfo a realizar um voo de passageiros para Israel. E é apenas o início”, congratulou-se na rede social Twitter a empresa.

Foto: Etihad Airways

Israel e os Emirados acordaram no domingo realizar 28 voos semanais, segundo Liza Dvir, que não precisou quando é que os voos serão realizados.

Acordos entre os Emirados e o Bahrein com Israel, patrocinados pelos Estados Unidos, foram assinados a 15 de setembro em Washington, fazendo destes dois Estados do Golfo os primeiros países árabes a normalizarem relações com o Estado hebreu depois do Egito (1979) e da Jordânia (1994).

“O voo de hoje é uma oportunidade histórica para o desenvolvimento de parcerias fortes entre os Emirados Árabes Unidos e Israel, e a Etihad, como companhia aérea nacional, tem o prazer de liderar o caminho”, disse a propósito Mohamed Mubarak Fadhel Al Mazrouei, presidente do Grupo Etihad Aviation.

Foto: Etihad Airways

Um “primeiro voo comercial direto” partiu de Telavive com destino a Abu Dhabi no final de agosto, transportando uma delegação oficial israelita.

Um primeiro avião israelita também aterrou no Bahrein a 23 de setembro, depois de ter sobrevoado o espaço aéreo da Arábia Saudita, país aliado dos Estados Unidos e próximo dos Emirados, mas que continua a não ceder à pressão de Washington para também normalizar relações com o Estado hebreu.