Últimas Notícias:

FAA autoriza Boeing 737 MAX regressar aos céus!


 

A FAA – Federal Aviation Administration autorizou hoje, 18 de novembro, o Boeing B737MAX  regressar aos céus

Este dia certamente é certamente um marco importante para a Boeing e para a aviação mundial.

Para já ainda não existe uma data certa para o regresso da aeronave aos voos comerciais, uma vez, que as companhias terão de seguir as novas recomendações e preparar as suas aernaves para o retomar dos voos comerciais depois de tanto tempo estacionadas.

 

RESCISÃO DE ORDEM DE PROIBIÇÃO DE EMERGÊNCIA

A Ordem de Proibição de Emergência da Federal Aviation Administration (FAA) emitida a 13 de março de 2019, aplicável aos aviões da Boeing modelo 737-8 e 737-9, é rescindida com os efeitos descritos abaixo. Esta rescisão permite a operação dos aviões Boeing modelos 737-8 e 737-9 apenas após a satisfação dos requisitos aplicáveis ​​para regresso ao serviço.

Quando o Administrador determina que existe uma emergência relacionada à segurança no comércio aéreo e requer uma acção imediata, o Administrador pode emitir ordens efetivas para dar respost à emergência.

A 13 de março de 2019, ao receber informação indicando a possibilidade de uma causa compartilhada para acidentes envolvendo aviões Boeing 737-8 operados pela Lion Air (voo 610) a 29 de outubro de 2018 e Ethiopian Airlines (voo 302) a 10 de março de 2019, a FAA determinou que existia uma emergência e emitiu uma Ordem de Proibição de Emergência que restringiu a operação dos aviões Boeing 737-8 e 737-9. Após a emissão dessa ordem, a FAA inicia imediatamente um procedimento de investigação da emergência.

Base para a rescisão

A FAA determinou que os acidentes da Lion Air e da Ethiopian Airlines envolveram uma causa comum, identificou uma condição insegura que existia no produto e era provável de existir ou se desenvolver em outros produtos do mesmo tipo, e iniciou procedimentos para tratar da condição insegura.

A 6 de agosto de 2020, a FAA emitiu um aviso de proposta de regulamentação (NPRM) propondo uma Diretriz de Aeronavegabilidade que se aplicaria aos aviões Boeing Company Modelo 737-8 e 737-9 registados nos EUA e exigiria que os proprietários e operadores concluíssem certas acções correctivas necessárias para resolver a condição insegura.

Em 18 de novembro de 2020, depois de considerar os comentários públicos sobre o NPRM, a FAA emitiu a Directriz de Aeronavegabilidade 2020-24-02 como uma regra final que requer certas acções correctivas para resolver a condição insegura antes de reiniciar os voos, em conformidade com as alterações de projecto de tipo dos modelos 737-8 e 737-9, aprovados pela FAA em 17 de novembro de 2020. A Diretriz de Aeronavegabilidade entrará em vigor a partir de sua publicação no Federal Register.

Juntas, a Diretriz de Aeronavegabilidade e a aprovação do protejo abordam a condição insegura quanto à frota existente registada nos EUA de aviões Boeing 737-8 e 737-9, e também para quaisquer aviões 737-8 e 737-9 para os quais a Boeing busca certificados de aeronavegabilidade e certificados de exportação de aeronavegabilidade.

Em primeiro lugar, a Ordem de Proibição de Emergência não é mais necessária para qualquer avião da Boeing modelos 737-8 e 737-9 que, doravante, recebam certificados de aeronavegabilidade originais da FAA e certificados de exportação de aeronavegabilidade com base nos projectos de tipo alterados.

Com relação aos aviões da Boeing Company Modelos 737-8 e 737-9 registados no exterior, a FAA aplicará o Artigo 33 e o Anexo 8 da Convenção sobre Aviação Civil Internacional (a Convenção de Chicago) para tomar as medidas adequadas para restringir acesso ao espaço aéreo dos EUA e tratar de qualquer não conformidade com as leis dos EUA em que a autoridade de aviação civil estrangeira do estado de registro não exija conformidade com o projeto de tipo recentemente alterado ou uma alternativa que alcance pelo menos um nível equivalente de segurança.

Finalmente, após a publicação da Diretriz de Aeronavegabilidade 2020-24-02 no Federal
Register, a força legal dessa Directriz de Aeronavegabilidade substituirá qualquer necessidade de aplicar a Ordem de Proibição de Emergência quanto à frota existente registrada nos EUA da Boeing, modelos 737-8 e 737-9, certificados previamente pela FAA.

Com relação a esses aviões, a Directriz de Aeronavegabilidade 2020-24-02 exige acção correctiva antes de novos voos.

É importante ressalvar que nos cenários identificados acima, antes do regresso dos aviões ao serviço, os operadores também devem responder a todos os outros requisitos aplicáveis, como concluir um novo treino para pilotos e conduzir actividades de manutenção.

Rescisão

Pelas razões anteriores, a Ordem de Proibição de Emergência de 13 de março de 2020 é rescindida da seguinte forma:

(1) com efeito imediato para qualquer avião da Boeing modelos 737-8 e 737-9 que daqui em diante receba certificados de aeronavegabilidade da FAA e certificados de exportação de aeronavegabilidade;

(2) com efeito imediato para qualquer avião Boeing ,odelos 737-8 e 737-9 registado no exterior operando no espaço aéreo dos Estados Unidos; e

(3) entra em vigor após a publicação no Federal Register of Airworthiness Directive 2020-
24-02 para todos os aviões Boeing Company Modelos 737-8 e 737-9 registados nos EUA.

OFICIAL DE CONTATO DE RESCISÃO

Encaminhe quaisquer questões relativas a esta rescisão para Ian Won, Federal Aviation
Administration, Aircraft Certification Service, Seattle ACO Branch, 2200 South 216th Street, Des Moines, WA 98198 (e-mail: 9-FAA-SACO-AD-Inquiry@faa.gov; Tel: 206-231-3500).

18 de novembro de 2020

Steve Dickson
Administrator
Federal Aviation Administration