Últimas Notícias:

Boeing: primeira entrega do 777X adiada para 2022, a produção 747 terminará em 2022


 

Hoje, durante a apresentação dos resultados do segundo trimestre, a Boeing confirmou que vai atrasar a entrega do seu primeiro 777X até 2022e vai encerrar a produção do B747 em 2022.

Boeing perdeu 3.004 milhões de dólares (2.562 milhões de euros) na primeira metade de 2020, 278% mais do que o prejuízo que teve no mesmo período de 2019.

As perdas devem-se ao impacto da crise da covid-19 e da paralisação dos aviões 737 Max.

Segundo a empresa norte-americana, as vendas no primeiro semestre caíram 25,73% em relação a 2019, atingindo 28.715 milhões de dólares (24.496 milhões de euros).

O presidente executivo da Boeing, Dave Calhoun, explicou ao apresentar os resultados, que a empresa está a adotar medidas “para lidar com o impacto comercial sem precedentes da pandemia”, entre elas “ajustar a produção comercial” e “reduzir os níveis de emprego”.

Só no segundo trimestre, a empresa perdeu 2.395 milhões de dólares (2.039 milhões de euros), 18,6% menos do que no mesmo período do ano anterior. As receitas desceram 25% para 11.807 milhões de dólares (10.054 milhões de euros).

Aos funcionários foi dito: “Enquanto as nossas taxas de produção do 767 e 747 permanecerem inalteradas, sob a luz da dinâmica corrente do mercado e as previsões, nós iremos terminar a produção do icónico 747 em 2022. O nosso compromisso com os clientes não termina nessa data, e nós iremos continuar a fornecer suporte às operações do 747 no futuro”.

Neste momento,existem apenas 16 unidades B747 cargueiros a serem construídos, sendo que este número pode ser até inferior, uma vez que quatro dos modelos são para a Volga-Dnepr, que perdeu a disputa judicial com a Boeing e pode desistir da encomenda, as outras 12 unidades são para UPS.

A taxa de produção do Boeing 787 será reduzida para 6 por mês em 2021. A taxa de produção combinada do 777 / 777X será gradualmente reduzida para 2 por mês em 2021, com a primeira entrega do 777X prevista para 2022.

Actualmente, as premissas da taxa de produção não mudaramnos programas 767 e 747.

A Boeing indica que entregou 20 aviões durante o trimestre e a carteira de pedidos incluiu mais de 4.500 aviões avaliados em 326 bilhões de dólares.

O programa 737 retomou os estágios iniciais da produção em maio e espera continuar a produzir a baixas taxas para o restante ano de 2020.

A pandemia do COVID-19 impactou significativamente as viagens aéreas e reduziu a procura no curto prazo, resultando em menores pressupostos de produção e entrega.

A Boeing espera aumentar gradualmente a taxa de produção do 737 para 31 por mês até o início de 2022, com novos aumentos graduais para corresponder à procura do mercado.