Últimas Notícias:

A321LR da Azores Airlines realizou o primeiro voo comercial (com vídeo)


 

O Airbus A321LR realizou esta quarta-feira, 17 de julho, o seu primeiro voo comercial.

O voo S4333 descolou de Ponta Delgada, Açores com destino a Toronto.

Azores Airlines Magical, the new A321 NEO LR on is first flight arriving in Toronto ✈️

Publicado por Ricardo Garcia em Quinta-feira, 18 de julho de 2019

Equipado com motores CFM LEAP-1A, o A321LR da Azores Airlines tem 190 lugares distribuídos por duas classes (16 em executiva e 174 em económica), oferecendo o conforto excecional de um widebody numa cabina e com os custos de operação de um aparelho de de corredor único. Com este novo A321LR a companhia açoriana pretende continuar com a sua estratégia de crescimento e de expansão da rede para destinos europeus, mas também em rotas transatlânticas entre os Açores e o norte do continente americano.

O A321LR é a versão de longo curso (LR – Long Range) do sucesso de vendas da família A320neo e permite às companhias aéreas vôos de longo curso até 4,000nm (7,400km), chegando a novos mercados que até então estavam inacessíveis aos aparelhos de corredor único.

Foto: Tiago Rego

O novo A321LR vai juntou-se à frota da Azores Airlines, que inclui cinco aviões de corredor único que entraram ao serviço no último ano, 3 A320ceo e 2 A321neo. Este novo membro da frota da Azores Airlines vai permitir à companhia maior flexibilidade operacional e uma optimização da comunalidade entre aeronaves.

O A320neo e os modelos derivados fazem parte da família de aviões de corredor único mais vendida no mundo, que conta já com mais de 6 500 encomendas vindas de mais de 100 clientes desde o seu lançamento em 2010. Pioneiro, este modelo integra as tecnologias mais recentes, incluindo motores de nova geração e uma cabine com um design de referência na indústria aeronáutica, o que proporciona uma poupança de 20% em combustível por passageiro. O A320neo também tem outros benefícios a nível ambiental como uma diminuição na pegada sonora de cerca de 50% comparavelmente aos aviões concorrentes de gerações anteriores.